20/08/2012

[RESENHA] Soukyuu no Fafner

Crianças de roupas de borracha pilotando robôs gigantes e lutando contra criaturas esquisitas? Calma não estamos falando de Evangelion mas sim de Soukyuu no Fafner.Fafner é uma produção do estudio XEBEC e foi ao ar em 2004. Durou 25 episódios e alguns especiais mais tarde.



No futuro, a Terra se dominada por criaturas estranhas chamadas Festum. Estes seres surgiram há muito tempo se rebelando contra os seres humanos. Com isso a população da Terra foi quase toda morta por estes seres restando nenhum lugar que estivesse livre delas, exceto um: uma ilha localizada ao sul do Japão. Nesta ilha, denominada o ultimo paraíso da Terra, as pessoas ainda vivem em paz, até certo dia que um ataque fulminante das criaturas acaba com a paz do lugar e revela segredos que ninguém imaginava. Agora, os adultos tem de recrutar as crianças da ilha para pilotarem robôs enormes chamados de Fafner para poderem derrotar tais criaturas.


É impossível não citar o quão revolucionário Evangelion foi para o mundo dos animes, seja no enredo, animação, qualidade. Enfim, após o seu termino, sua formula foi copiada em algumas séries que desejam se tornar o NOVO Evangelion (que estranho isso soa, lembrei de Novo Testamento) enfim, uma série de anime que se tornasse um novo fenômeno, tanto no Japão quanto no mundo. E uma dessas séries que se arriscaram nesse perigoso foi Soukyuu no Fafner. Mas não se enganem. Sokyuu, apesar da forte influencia de Evangelion, consegue caminhar com suas próprias pernas e o enredo da série consegue fluir harmoniosamente com o que foi planejado, ou pelo menos, com o que planejavam passar ao telespectador. 


De principio temos mesmo a impressão de que Fafner é apenas mais uma cópia de Evangeion, mas logo a impressão passa, ainda na primeira parte (ou arco, como preferirem) da série. Digamos que é até o episódio 7-8 da série. A partir daí a série começa a andar com as próprias pernas. Poderia ficar aqui a matéria inteira comparando estas duas séries, mas não é este o objetivo. Com a imparcialidade que eu conseguir, farei vocês tomarem gosto para assistir este anime.


O tema de abertura, cantado por angela (minúsculo mesmo) lembra muito Cruel Angels Thesis, começo lento e depois agitação. Clique nos links e confira. Mas isso não tira o mérito da musica, já que o timbre potente de angela dá um tom “épico” a abertura, aliada com a animação do estúdio XEBEC. Já o encerramento consegue transmitir totalmente o clima melancólico do final dos episódios. sendo a mesma musica, ora tocando a parte 1, ora tocando a parte 2, musica esta que possui uma letra muito bonita e que vale a pena se emocionar.


Os personagens da série não são nem um pouco bobos. São determinados, possuem personalidade. Gostam de lutar e fazem isso com gosto, para protegerem o que mais amam. Claro, o fato das crianças estarem naquela ilha, e só elas poderem pilotar os robôs, é um ponto forte da história, que não convem contar pois seria muito spoiler. Mas é claro que mesmo assim, ainda temos os personagens, secundários, clichês como o medroso, o engraçado, o quieto, o apaixonado. Penso eu que não como fugir de certas características de personagens, por mais que se queira fazer algo original.


Na questão de animação, temos a qualidade, instável, do estudio. Os robôs não parecem muito serem feitos de metal, talvez a coloração ou textura não conseguiram passar essa mensagem. As vezes da impressão de que são de borracha. Mas apenas este aspecto que peca, já que o design deles, que apesar de ser feio, também não é bonito. Aqui não temos um Gundam, ou um Knightmare, temos robôs que foram feitos para lutar onde o design não faz muita diferença.


O design dos personagens pode parecer datado, mas levando em consideração a época em que foi ao ar (2004) era perfeito para a época. Os olhos são muito expressivo, possuem um brilho que nunca vi em uma série. São bonitos mesmo e esses risquinhos em baixo dos olhos são um charme a mais.


Dessa forma, não olhe Soukyuu no Fafner com preconceito. Não diga que é apenas mais uma cópia de Evangelion (em opinião pessoal acho que Guilty Crown está BEM mais próximo de EVA do que Fafner). O anime tem seu mérito, a história é um pouco profunda, nos faz querer saber o porquê daquilo aconteceu com tal personagem. Faz querer saber o que acontecerá no episódio seguinte a cada final e no final da série, já estamos envolvidos com os personagens e seus dramas e o que os levou a lutar daquela forma. Pra quem curte os animes de mecha, Fafner tem todos os elementos do gênero trabalhado de forma harmoniosa, de forma a agradar todos os gêneros de publico.


6 comentários:

  1. eu vi a imagem, me lembrou o mesmo designer do gundam seed...o personagem ai parece o Arthur Zala....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. só conheço o gundam seed de imagens mas é bem parecido mesmo. não pesquisei sobre, mas deve ser o mesmo caracter designer. =)

      Excluir
  2. Meu, esse anime é a cara do Gundam Seed O.O
    Só espero que seja tão bom quanto né (o personagem ai é identico ao Athrun)...

    ResponderExcluir
  3. Tava pesquisando umas imagens que tem um anime que tem o mesmo nome desse do tópico, mas não achei nenhuma ligação deste anime com o anime que estou falando (Soukyuu no Fafner: Dead Aggressor - Exodus). Na resenha desse anime, diz que foi ao ar recentemente (temporada passada)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oii. de qual anime vc está falando? guilty crown? a resenha é de 2012. as vezes pode ser por isso. =)

      Excluir
    2. O anime que tem o mesmo nome que me refiro é Soukyuu no Fafner: Exodus

      Excluir